Publicado em

Como escrever um livro bom

Tenho visto pessoas com excelentes ideias para livros, mas com uma péssima execução.
Isso acontece porque não amadurecem a ideia. Não a transformam em uma história antes de começar a escrever. É entusiasmo.

Continuar lendo Como escrever um livro bom

Publicado em

Por que um autor novo, com um excelente livro, vende muito pouco?

“O país está em crise” é a resposta de alguns. “Minha editora não divulga”, de outros. “As pessoas têm medo de comprar pela Internet”, outros ainda.

A lista seria enorme. Mas, de fato é que crise não impede pizza e coca cola de vender bastante, com um preço às vezes maior do que um livro. No outro argumento, há autores muito bem divulgados pelas editoras que não vendem nada. E, por fim, essa história de medo de comprar pela Internet é mentira, haja vista o tamanho geral do mercado vendas online.

A questão é outra: por que o excelente livro de um autor novo é COMPRADO muito pouco?

Porque não é vendido.

E os autores novos querem que seus livros sejam comprados… mas não querem vende-los.

“Esse negócio de vendas se resume em uma só coisa: ver pessoas. Se você contar a sua “história de vendas” para um número “x” de pessoas (esse “x” varia de acordo com o produto), seu sucesso estará garantido” (Percy H. Whiting)

E o que é uma “história de vendas”?

A mais curta história de vendas é a do vendedor de tapetes de porta. Ele sai de manhã com um monte de tapetes na cabeça, toca a campainha e, quando alguém aponta a cabeça na porta ou na janela, ele diz “Vai um tapete hoje?”.
Se sim, ele vende. Se não, não vende… e parte pra outra casa, contar novamente sua história de vendas.

No fim do dia, se for organizado, esse vendedor terá condição de fazer uma estatística: para vender 10 tapetes, preciso apertar 200 campainhas.  Assim, ele sabe que, se quiser vender 20 tapetes no dia seguinte, terá que acordar mais cedo para tocar 400 campainhas.

Se os autores fizessem isso, venderiam seus livros. Quanto mais histórias de vendas contasse, mais vendas teria.
Mas basta tocar campainha e perguntar “vai um livro hoje?”

Se você imaginar um produto algo mais sofisticado (seguro de vida, consórcios de carro, túmulos em cemitério, remédios para emagrecer, perfumes e… seu livro),  perceberá que uma história de vendas como “vai um consórcio hoje?”  não vai conseguir uma razão de 200 x 10, entre campainhas tocadas e vendas obtidas. Não venderá nem 1 a cada 1000. Simplesmente porque “não é assim que se vende consórcio”. Ou seja, a história de vendas precisará ser um pouco mais elaborada.

E tudo começa com um filtro. “Para quem vou oferecer consórcios?”.  Para quem não tem carro, é o primeiro pensamento.  Aí, você faz uma lista de amigos que não tem carro e vai oferecer. A história é mais elaborada. Você diz “estou trabalhando com consórcio agora. Você sabia que consórcio é a forma mais inteligente de adquirir seu carro? blá blá blá”, e, no fim, não vende. Porque quem não tem carro e quer comprar um, quer comprar rapidamente, e não ficar esperando não sei quantos meses para um sorteio.  O melhor é vender para quem TEM carro… pois, em um ano ou dois, essa pessoa pensará em trocar de carro. E, com pode dar o carro usado como lance, a sua possibilidade de vender é muito maior.

Com o livro é a mesma coisa: para quem vai oferecer seu livro? Depende do tipo de livro, claro. Aí, cabe a você definir qual é o público-alvo do seu livro.
Uma vez que isso esteja claro, você precisa elaborar a sua “história de vendas”.  Estando frente a frente com um possível comprador, qual é a primeira coisa que você deve dizer?  Deve fazer alguma pergunta? Se sim, o que deve dizer em função das respostas da pergunta? E assim por diante.

Claro, também, que não precisará bater de porta em porta (embora não seja uma má ideia: Monteiro Lobato que o diga). Você poderá conversar com seus contatos no Facebook, marcar palestras em escolas e clubes, ou reuniões em sua própria casa, onde contará sua história de vendas para um grupo de pessoas convidadas de uma só vez.

Isso é VENDER o seu livro, e não esperar que alguém compre.

Publicado em

Três livros que todos deveriam ler

A Segunda Maçã – (Antônio Soares [Eu])
Se você gosta de assuntos espirituais, viagens astrais e coisas do gênero, este livro vai lhe trazer bastante satisfação. Trata-se de uma aventura onde um casal que se conhece pela Internet é separado pela morte antes de se encontrarem. Mas o espírito do morto continua conversando com a moça através da Internet, e ela acaba se suicidando para ir encontra-lo no mundo espiritual. Só que, ao invés de encontra-lo, vai parar no Vale dos Suicidas. E aí acontece uma missão de Resgate, que envolve uma série de personagens interessantes. Os acontecimentos narrados no livro são imaginários, mas todo o ambiente é fruto de intensa pesquisa em fontes aceitas pelo universo espírita.

GEENA – Eles Voltaram (Geraldo Medeiros Júnior)
Nada faz mais sucesso do que histórias envolvendo zumbis e seres parecidos. Mas são todas cheias de clichês e cópias umas das outras. Geena também trata desse assunto, mas com um enfoque totalmente novo: e se os mortos voltassem… melhores que nós, vivos? Esse enfoque permite ao autor fazer especulações de todas as ordens, sociais, políticas e científicas. E o final é surpreendente.

O Coração de um anjo (Yeda Borges)
Histórias de casais diferentes e amores impossíveis também são uma recorrência na literatura. Mas este livro mostra algo inédito: essa situação entre seres sobrenaturais: um demônio e um anjo. “Ah, mas já vi isso… no livro tal…”. Não! Esse é diferente, porque os personagens não são meramente inventados para o enredo, mas sim deduzidos de crenças muito arraigadas na humanidade. Assim, não apenas a história importa, mas também a reflexão sobre o bem e o mal, e como o primeiro pode prevalecer, apesar do mundo caótico em que vivemos

Publicado em

Publicação Independente

Como funciona a publicação independente?

Desde que o autor escreve a primeira palavra do seu livro, até que ele chegue às mãos do leitor, há uma infinidade de etapas. Em resumo:

  • Revisão
  • Diagramação
  • Preparação de capas
  • Registros do livro
  • Impressão
  • Distribuição

Na forma “não independente”, o autor entrega o original para a Editora. Se for aprovado, ela cuidará de todas essas etapas.

No entanto, é muito difícil conseguir que uma editora que trabalhe dessa forma aprove o original. Especialmente se o autor é iniciante.  A causa disso é que o investimento é grande, para a realização dessas etapas. E um livro (mesmo de autores famosos) pode não ter o sucesso esperado.  Dessa forma, eles escolhem com muito critério os livros que irão publicar dessa forma.

Por tudo isso, a maioria dos novos autores corre o risco e “paga para publicar”.  Isso é feito de duas formas:

a) Contratando uma editora: uma vez combinadas as condições, a Editora contratada irá realizar essas etapas, ou algumas delas. Especialmente a distribuição nem sempre é realizada da maneira que o autor espera. Os modelos de negócios dessas editoras são muito variáveis mas, na maioria das vezes o autor recebe todos os livros que foram impressos e deve cuidar pessoalmente da distribuição e da venda.  Outro ponto a considerar é que essas editoras geralmente fazem “pacotes” de publicação, e acaba saindo bastante dispendioso.

b) Publicando de forma independente: levando em conta que o maior atrativo de uma editora é a ampla distribuição e que isso quase nunca é realizado pelas editoras pagas, torna-se interessante publicar de forma independente, isto é, cuidando de todas as etapas, seja pessoalmente, seja contratando profissionais.

  • Revisores – os melhores irão corrigir não apenas erros ortográficos e gramaticais, mas também melhorarão a redação em alguns pontos.
  • Diagramador – Esse trabalho não deve ser contratado antes de saber onde vai imprimir os livros, pois a diagramação deve levar em conta os padrões da gráfica.
  • Capista – Da mesma forma, deve ser contratado após a definição de onde vai imprimir.
  • Registros do livro – Biblioteca nacional e ISBN.
  • Gráfica – nem todas as gráficas imprimem livros.

Todo esse trabalho é uma verdadeira aventura, muito trabalho e muito aprendizado. Se quiser saber mais detalhes sobre tudo isso, adquira nosso livro “A aventura de publicar“. Se não quiser comprar o livro físico, basta solicitar e lhe enviaremos gratuitamente o e-book.

  • Distribuição e venda: essa é a parte mais difícil. O autor deverá estar disposto a realizar um trabalho nesse sentido.  Se quiser, adquira nosso livro “Como vender seus livros pela Internet“.  Se não quiser comprar o livro físico, basta solicitar e lhe enviaremos gratuitamente o e-book.

Nosso trabalho é auxiliar na publicação independente, oferecendo a maioria dos serviços necessários, com toda qualidade e por excelente preço.